terça-feira, 9 de março de 2010

" Os olhos de um poeta...

... Quando está fora de si! "

(Eu não sei dizer quem sou, apenas o que sinto! Meus sentimentos são laços mas nunca nós.)

"Dentro de uma casinha cheia de emoções, aonde a lei da gravidade não me mantém presa ao chão..."

O vento é a brisa que se faz presente no momento em que começo a sair de mim - Realidade inexistente, longa viagem - .
Faço um singelo convite de silêncio à mim e aos meus demonios, e convido a liberdade para entrar em minha casinha, nos meus pensamentos e ela então se faz presente nos meus momentos.
Sou tão todos que me torno .Tão capaz de criar um mundo dentro dos meus próprios olhos, permitindo que invada o meu ser e transpareça em minhas emoções... Vejo dia, vejo noite e ainda assim parece não ser suficiente!
Sou tão poesia, maresia, calmaria, cantoria...
Estes olhos que tudo vêem e esse coração que tudo sente, são tão meus!
Particularmente, prefiro estar na maioria das vezes fora de mim e entender toda a poesia do universo - do criador - , à estar presa em uma realidade um tanto quanto cruél e absurda.
Sinto paz nessa janela aonde vejo a poesia azul de Deus, e o verde de uma sombra, que não desejo voltar, é tão indescritivel!

Sou os olhos de um poeta que vêem e sente tudo à todo tempo, e estará sempre fora de si, porém dentro da simples casinha de emoções... (Refúgio)

"Mas agora preciso voltar...
Fecho os olhos, a janela, a porta da casinha, desfaço os laços, e também os convites de silêncio, visto minha armadura e vou em direção à guerra humana causada por irmãos."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faço os meus textos esperando reconhecimento, assim como todos que também tem um blog. Sem ser grosseira, se não for ler NÃO COMENTE! Estamos aqui para expor nossas idéias e eu tenho as mesmas intenções que você. Favor respeitar a regra (: Obrigada!