segunda-feira, 17 de maio de 2010

Hoje eu quero sair só.


De pés descalços e coração aberto.

Hoje eu quero paz, poesia e liberdade. Hoje eu quero mais vida, sorrisos e bondade.
Eu vou sair por aí com aquela samba-canção velho, sim, uma menina com trajes masculinos. É previsível que muitos estranhem, mas, o que pode ser mais estranho que esse mundo de loucos? Eu não me importaria, juro.
Quero revirar meu guarda-roupa e jogar todas as peças novas fora, vou sair de moda.
 Quero minha nostalgia intacta, acho que estou precisando abraçar o meu passado.
Vou deixar de lado tudo o que me mantém viva, aquelas coisas que dizemos serem nosso ar. Talvez eu precise parar de respirar para não morrer. É, não faz muito sentido, mas é o que penso.
Hoje eu resolvi jogar as cartas na mesa e virar a mesa, dar as costas, desligar o telefone na cara de alguém. Eu preciso me sentir bem.
Liberdade! Eu preciso disso o tempo todo e ainda não entendo o porquê.
Ontem eu estive atrás das grades, aquelas que eu construi na minha vida, e talvez a falta da luz do dia tenha me feito bem, me esconder do mundo e viver na escuridão sempre me faz abrir os olhos e ser um alguém melhor.
Não me sinto só, morta ou triste. Pode parecer contradição, mas eu juro que não.
Estou bem e segura em meus passos, rumo ao nada, a solidão parece dominar as ruas por onde caminho, mas há luzes na cidade, e elas brilham mais forte quando me vêem passar.
Feel good, Siga em frente.
Estou à dois passos de uma rua sem fim. Estou mesmo é saindo fora de órbita ou fora de mim?



"Então não me conte seus problemas, hoje eu quero paz, eu quero amor."

5 comentários:

  1. Se o mundo pudesse contemplar o mundo da lua com certeza teríamos um mundo mais leve. Eu me surpreendo com cada post seu e sempre tem alguma coisa em seus textos que fica comigo um tempão na mente.
    Quanta coragem é necessária para deixar de lado o que consideramos como nosso ar? E quantas vezes é justamente isso o que nos torna prisioneiros? É aquela coisa de sentir-se dependente de algo, quando na verdade não somos, só nos permitimos sentir que sem aquilo, sem aquela conversa, sem aquele contato, sem aquela pessoa não conseguiremos sobreviver. Ou pior ainda, os consumistas que o digam: quando tem a necessidade de ter algo. Ter, deixar de ter ... eu não sei, mas aprendi que só temos aquilo que damos pra alguém, isso não vale pra liberdade e hoje você me fez perceber.

    ResponderExcluir
  2. adoreiiii o textooooooo.. perfeito..
    achei seu blog por acaso
    vou te seguir beijos

    ResponderExcluir
  3. quem nunca sentiu essa vontade estranha de se libertar de tudo, de todos? :/
    adorei o texto, de muita qualidade!
    beijo :*

    ResponderExcluir

Faço os meus textos esperando reconhecimento, assim como todos que também tem um blog. Sem ser grosseira, se não for ler NÃO COMENTE! Estamos aqui para expor nossas idéias e eu tenho as mesmas intenções que você. Favor respeitar a regra (: Obrigada!