segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Tristeza não tem título.

O peso de ser alguém dói. A cruz de cada um. As batalhas travadas. A incerteza de viver. Dói. Como me dói.
Pensar me destrói, sentir me reconstrói. 
Tristeza me faz rimar, cantar, inventar... Amor, dor, lembranças. Do que não importa mais.
Não é passado de amor, é passado de vida. De tantas que já fui, de tudo que já fiz.
E eu só queria entender, porque é que tristeza faz a gente querer transparecer o melhor de nós, afim de que alguém consiga entender, e então, te admirar...

E como dói, me dói, apenas dói.

Um comentário:

Faço os meus textos esperando reconhecimento, assim como todos que também tem um blog. Sem ser grosseira, se não for ler NÃO COMENTE! Estamos aqui para expor nossas idéias e eu tenho as mesmas intenções que você. Favor respeitar a regra (: Obrigada!